Agile Marketing: o time com os resultados que você sempre sonhou
Marketing

Agile Marketing: o time com os resultados que você sempre sonhou

Quem trabalha diretamente com empresas de tecnologia e tem contato com times de desenvolvimento já ouviu, ao menos uma vez, o termo desenvolvimento ágil (ou Agile Development).

Esse termo surgiu baseado em diversas metodologias e processos que ajudam a aumentar a eficiência dos times de tecnologia. Termos como Scrum e Kanban se tornam rotineiros nessa área e, agora, finalmente seus conceitos estão se expandindo para outros campos das empresas.

Essa aula sobre Gestão é um conteúdo exclusivo do nosso certificado gratuito – o Outbound Go!

O autor do best-seller SCRUM: a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo, Jeff Sutherland, já aplicava suas ideias como um todo nas empresas, mas ainda sem dar uma estrutura tão clara para outras áreas que não a de tecnologia.

No entanto, foi a partir do seu trabalho e de outros defensores do modelo Ágil (se quiser conhecer mais, você pode conferir o Agile Manifesto, escrito em 2001) que surgiu o Agile Marketing.

Agile Marketing: o que é

O termo Agile Marketing é, justamente, a abordagem de Agile Development aplicada ao processo comercial, principalmente.

As mesmas ideias podem ser aplicadas aos times de marketing e vendas.

Não confunda os conceitos de Agile Marketing com Agile Selling. O segundo é baseado no livro da Jill Konrath. Quer saber mais sobre ele?

O Agile Marketing tomou corpo através de um manifesto criado por diversos profissionais da área que buscavam adaptar o modelo de gestão de times comerciais ao novo cenário.

Os valores definidos pelo Manifesto são:

  1. Aprendizado validado na prática sobre opiniões e convenções
  2. Colaboração focada em entrega de valor para os clientes ante a criação de silos e hierarquia
  3. Campanhas interativas, adaptativas e não estelares/complexas
  4. Validação e contato direto com o consumidor ao invés de predição sobre preferências e comportamentos
  5. Planejamento flexível VS rígido
  6. Responder às mudanças quando seguir um plano
  7. Vários pequenos experimentos perante poucas grandes apostas

Não são conceitos complexos de se entender, mas adaptar sua cultura e os processos é que se tornam um desafio diário. Principalmente se consideramos o cenário geral do mercado quando se trata de Marketing e Publicidade.

Enquanto os fãs de Mad Men conhecem bem o que era a publicidade há 40 anos, o marketing foi forçado a evoluir de uma maneira pouco natural ao longo dos anos.

Com o surgimento da internet, muito começou a mudar, mas a necessidade de se adaptar aumentou em um ritmo assustador.

Por isso mesmo, ainda é possível ver empresas onde os profissionais de marketing se preocupam muito mais com relações públicas, divulgação básica em mídias sociais e artes para mídias pagas.

Do outro lado, temos profissionais que são referências em Marketing Digital, como Sean Ellis, o mesmo que cunhou o termo Growth Hacking, defendendo ferozmente a aplicação do Agile Marketing como diferencial para alcançar resultados em um mercado tão competitivo.

Olhando para os 7 valores do Agile Marketing Manifesto, nós conseguimos entender que a grande maioria deles procura adaptar os processos de Marketing à maneira de trabalhar das novas gerações e, principalmente, novas tecnologias existentes.

Não é plausível manter um sistema de gerenciamento engessado, hierárquico, baseado meramente em criatividade quando se possui mais do que um punhado de opções mais viáveis, mensuráveis e flexíveis à sua disposição.

Faz completo sentido, então, se adaptar ao que o mercado pede e alterar sua cultura e hierarquia para melhorar os resultados, como as startups começaram a fazer e, hoje, as grandes empresas procuram conseguir também.

Quais são os benefícios reais do Agile Marketing?

O Scrum foi desenvolvido pensando na filosofia que nasceu no Toyotismo, o Kaizen. A raiz da palavra japonesa significa mudança para melhor, melhoria ou otimização.

No entanto, ela é usada para representar o conceito ou filosofia de melhoria contínua que o Agile Marketing busca gerar para seu time.

A primeira vez que li/ouvi sobre o assunto foi através do Sean Ellis, o mesmo cara que cunhou o termo Growth Hacking e levou as duas primeiras empresas em que foi VP de Marketing ao IPO.

Vale a pena ouvir o que ele fala, não?

E alguns dos resultados que ele citou e que eu consegui ver nos times em que trabalhei são:

  • Rendimento máximo do time, por impacto e não horas trabalhadas;
  • Melhorias constantes;
  • Planejamento mais assertivo e dedicação a novos projetos e ideias, que permitem saltos nos resultados;
  • Autonomia para o seu time;
  • Processos e decisões passam a ser guiados por resultados;
  • Melhoria na comunicação e satisfação interna;
  • Diminuição nos atrasos de entregas e melhoria na qualidade.

Não é pouca coisa. A mudança para o Agile Marketing compensa muito o esforço para fazer acontecer.

Mas como transformar essa visão em realidade?

Fazendo o Agile Marketing acontecer

Em primeiro lugar, existem algumas regras básicas para começar o Agile Marketing na sua equipe.

Para quem não sabe, eu costumo usar o Trello como ferramenta de gestão desse processo. Ele me ajuda a visualizar melhor todo o passo a passo e planejamento.

E é bem fácil, você consegue começar em 5 passos:

1. Crie um novo Board no seu Trello

É bem simples. Vai ser nesse board onde toda a magia vai acontecer 😉

2. Crie as listas necessárias: To-do; Pendências; Doing; Done + uma lista para cada membro do time

É bem simples, pois as 4 primeiras servem para você visualizar o trabalho ao longo da semana. Já as listas individuais são utilizadas como um backlog pessoal, onde cada membro do time adiciona tarefas e pendências que gostaria de resolver nos próximos sprints.

É uma ótima maneira de planejar novas ações, quebrar grandes ideias em pequenos pedaços, garantir sua entrega, e também não esquecer de atividades que surgem ao longo de um sprint.

3. Comece seu planejamento: cada um cria e prioriza os backlogs pessoais

Cada integrante do time preenche os próprios backlogs, criando novos Cards. Cada card representa uma tarefa, que pode ser, também, quebrada em checklists. Com os backlogs cheios, já é possível ter uma ideia do volume de trabalho planejado que cada pessoa possui.

4. Faça sua primeira Weekly Planning

Hora de priorizar. Dentre todas as tarefas, quais são aquelas urgentes e alinhadas com a estratégia de todo o time e da empresa?

O gestor ajuda o time nessa visão e o Planning ocorre de maneira a transferir os Cards das tarefas prioritárias para a lista de To-dos.

5. Realize Daily Meetings e Weekly Reviews + Planning ao fim do Sprint

Todos os dias, logo no fim da jornada, todos se levantam (ficam de pé) e respondem, rapidamente, as 3 perguntas:

  • O que consegui entregar hoje?
  • Quais obstáculos surgiram?
  • Qual o melhor e pior case que posso apresentar? Sucintamente, vale compartilhar boas práticas e erros percebidos, pois essa comunicação pode gerar insights e ajudar outros companheiros.

No início da semana seguinte, quando um novo sprint se inicia, é hora de começar outro Planning, mas não sem antes revisar a semana anterior e entender:

  • Foi possível entregar tudo que foi planejado?
  • Quais os principais obstáculos para o time e o que é preciso fazer para evitar que eles aconteçam novamente?
  • Qual a velocidade do time? É possível mensurar melhor o quanto cada um consegue entregar?

Sem erros bobos

Por fim, ficam alguns conselhos para você não cometer erros simples:

  1. Nunca adicione tarefas que não são urgentes no meio de um sprint.
  2. Sempre priorize seu planejamento de acordo com o impacto de cada entrega. Siga o Princípio de Pareto para tomar as melhores decisões.
  3. Todo mundo tem autonomia sobre o próprio sprint, mas o gestor é o principal responsável por validar as novas ideias e testes a se realizar, ainda durante o Planning da Weekly. Essa é a única maneira de se manter o alinhamento entre a rotina e o planejamento macro da empresa.
  4. Realize pequenos testes e só invista muito tempo depois de validar suas ideias. Entenda o conceito de MVP e aplique ao seu planejamento semanal.
  5. Sempre procure definir um ritmo para toda sua semana e, caso esteja ficando para trás, compartilhe com o time e procure encontrar uma solução para entregar o que foi planejado antes da Weekly Review. De preferência, durante as Daily Meetings.
  6. Quando surgir uma nova ideia, anote imediatamente no seu Backlog no Trello. Esquecer algo importante é sempre frustante!
  7. Antes da Daily Meeting, todo mundo deve atualizar as próprias atividades no Trello.
  8. Caso seu time trabalhe remotamente, é possível fazer os repasses da Daily via ferramentas de comunicação. A minha preferida é o Slack, onde temos um canal exclusivo para isso.

Ficou alguma dúvida?

Se quiser conversar comigo, é só comentar aqui embaixo!